Monthly Archives: Outubro 2015

A Última Cadenza

Cadenza

Esta semana viajou, foi a Roma. Mais uma vez nos lembrou que nunca comenta assuntos de politica interna no estrangeiro, mas lá nos foi recordando quão sério e altruísta é, não fosse um de nós esquecer. Enfim, foi a Roma ser romano. Talvez de lá traga o exemplo…

Nunca se enganou, como tal nem de uma linha se arrepende. Está certo, confere. Não será desta que a dúvida lhe assaltará o espírito, quanto mais a mente. Sendo este o pior momento para alterações radicais, estando o senhor prestes a instalar-se no Convento do Sacramento, alimentamos a ilusão de o vermos pelas costas. Finalmente! Será? Acelera a cadência na proclamação do absurdo ou será a sua ulterior Cadenza, o definitivo instante de improviso? Palpita-me que sim, daí a certeza sobre o que iria fazer e de todos os cenários antever. Como vai ele garantir o cumprimento de todos os tratados se o primeiro-ministro indigitado jura a pés juntos não aceitar liderar um governo de gestão? Como vai ele evitar o perigo vindo da esquerda radical? Como vai o nosso Santo Presidente garantir o supremo interesse Nacional? O dele!

São muitas perguntas! A resposta pode contudo ser simples e singela. Aqui vai: O Santo Presidente vai abdicar, vai renunciar ao trono, vai sair. Como as Eleições Presidenciais já estão marcadas, não serão antecipadas. Nesta derradeira passagem virtuosística, vai finalmente tentar ser popular, mas atenção, não marquem já os festejos. Sim! Por estranho que possa parecer, vai conseguir esvaziar ainda mais a presidência. Criará o cenário perfeito para justificar a repetição da frase “não abandono o meu país“! Portugal será novamente surpreendido, mas o executivo que hoje tomou posse permanecerá em funções interinamente. Será esta a ultima Cadenza de um solista chamado Aníbal.

Anúncios

Star Wars – Lobot da Costa

Lobot-da-Costa

Abordo hoje uma das três personagens em ascensão no novo elenco. Tal como qualquer outra personagem da saga Star Wars, por mais breve que seja a sua aparição, está destinada à imortalidade. Pelo menos neste mundo do faz de conta que é a sétima arte. Julgo ser o caso do solícito Fernando Lobot da Costa. Foi até aqui um destacado gestor subalterno na mina de exploração de gás no gigante da flatulência, o planeta Bespin. Será finalmente ministro. Diga-se, já merecia.

Outrora um mero técnico do sangue, alvo de uma bem-sucedida lobotomia, evoluiu até ao grande líder que hoje é. Um condutor de massas, um politico, um estadista. Cresceu. Está desde então apto a reagir ao premir de um simples botão do controlo remoto. Voluntarioso como nenhum outro, Lobot actua de forma breve, mas eficaz.

Foi do alto da Cidade das Nuvens que contemplou os demais e conclui não ter visto nenhuma das desgraças descritas pelos seus pares. Nada disso. Contundente atirou: “O que nós vimos foram pessoas bem instaladas”. Lobot não tem visão raio-X, mas vê mais além. Sem pieguice e muita determinação, tem o mérito da competência e por isso foi promovido. Ainda bem. Tratar-nos-á da saúde como ninguém.

 

Star Wars – Chewbacca de Sousa

Chewbacca-de-Sousa

O Natal aproxima-se e com ele chegará o sétimo filme da saga. Urge portanto regressar à apresentação das personagens, especialmente aos mais novos,  já nascidos neste século.

Cronologicamente, a primeira aparição desta personagem foi numa acção de salvamento, safando o pêlo a Yoda aquando da Vingança dos Sith. Oportunamente regressarei a outros feitos desta personagem, por ora, avante.

Nascido em Kashyyyk, o planeta dos Wookiees, este metalúrgico e exímio piloto chamado Jerónimo Chewbacca de Sousa, há muito que conduz a nave onde os perigosos revolucionários, vindos da orla exterior, rumam à capital do Império para a arrasar. Tenham medo, eles estão a chegar!

Ignóbil, inescrupuloso e confesso opositor dos omnipresentes mercados, provoca sentimentos contraditórios: Ódio e empatia. Até entre opositores desperta simpatia, mas não se deixem enganar pela aparência de peluche, ele é perigosíssimo. Muito embora os seus adversários digam que as suas projecções vocais são incompreensíveis, ele consegue passar mensagem pela emoção. Faz da autenticidade uma arma. Cuidado!

Entre os seus, é carinhosamente chamado de camarada Chewie. Muito embora leais entre si, os Wookiee são uma ameaça terrível. É sabido que a sua dieta põe em causa a estabilidade do Império Galáctico, especialmente ao pequeno-almoço. O Imperador já avisou, democracia sim, mas há limites. Fujamos enquanto é tempo!

Todos os Cenários

todos-os-cenários

Nunca do jogo desistiu. Interferiu, adiou e serviu. Foi a 5 que ninguém o viu, o dia daquilo a que se diz presidiu. Depois lá se ouviu. Referiu. Garantiu que tudo estudou e previu. Sugeriu que como ele nunca outro existiu. Uma maioria exigiu, mas como ninguém o ouviu, perdeu o pio. Entupiu e fugiu.

Será que já decidiu e o seu pupilo preferiu, ou trairá quem desde jovem o seguiu? Surpreender-nos-á agora que quase saiu?

Como a alternativa, embora pareça, não é de Diu, indeferiu e o grau de primeiro não lhe conferiu. Preteriu. Por certo anteviu, não ingeriu mas a mudança obstruiu. Destruiu. Aferiu e aos seus encobriu.

Dramatiza, mas diferiu. Indigitará aquele que instruiu. Desferiu.

 

FIMFA: Infiltração na Governação

Estava-se mesmo a ver que isto ia acontecer.

Neste momento joga-se o tudo ou nada num legitimidade da indigitação de um governo de continuidade desta coligação vs golpe de secretaria de um homem com ambição desmedida para ser primeiro-ministro.

Por princípio, e por tudo o que representam em termos de passado, não votei em nenhum dos dois partidos mais votados mas não posso ficar indiferente às opções de governação para as quais António Costa parece estar disponível. Esta disponibilidade para um casamento com BE e/ou CDU demonstra que, ao contrário da minha percepção inicial, António Costa pode realmente não ser mais um fantoche do sistema. Um homem do sistema jamais correria o risco de infiltrar a ‘extrema-esquerda’ e os ‘comunas’ no circuito de informações e decisões privilegiadas do estado. Um homem do sistema não cometeria a loucura de colocar em risco o sistema através de uma injecção de gente aguerrida com ideais e convicções de justiça e igualdade, gente com a mania da transparência que pode mandar por terra a opacidade que tanto tempo levou a contruir, gente capaz de colocar em causa as competências das nomeações certeiras em cargos cimeiros de agentes de confiança.

António Costa é um homem inteligente e ciente do que implica uma aliança mais à esquerda. Neste momento está debaixo de fogo, sob a pressão opressora do sistema, inclusive a partir do interior do seu próprio partido. Não creio que esteja a fazer bluff pois qualquer repentina simpatia pela PàF e o PS corre o risco de fazer PUF!

António Costa sabe perfeitamente que o BE e CDU não aparentam ser ‘domesticáveis’ e terá de estar preparado para levar uma ou outra mordidela na mão com que pensa alimentá-los. Por outro lado terá ali os seus cães de caça ferozes, feras que poderá soltar sempre que conveniente para farejar e sacrificar alguns dos interesses instalados no nosso delicado ecossistema. Mais não seja para fazer alguma limpeza à casa sem sujar as mãos do PS directamente.

Apesar de não necessariamente voluntária, ou expectável à partida, esta seria uma cabal prova de uma mudança de mentalidade e de acção política. Algo que certamente seria muito bem recebido pelos mais de 50% de eleitores portugueses votantes que escolheram uma viragem à esquerda.

Claro que posso estar enganado, talvez o BE e CDU, uma vez infiltrados no sistema, sejam na verdade seduzidos por este e se tornem novas máfias a quem é ofertado um quinhão exclusivo da exploração de Portugal. Caso isso aconteça nas próximas eleições lá teremos de dar mais ouvidos, e quiçá oportunidade de execução literal das suas ideias, aos que os tratam por putedo e gritam sem pudor “Morte aos Traidores!”

Espero sinceramente que em breve se faça história política e que no final de todo este jogo de sedução e traição não se revele somente como mais uma fantochada inconsequente.

infiltracao-na-governacao

Procuro um Álibi

Procuro_um_AlibiO Revivalismo está na moda. O Kitsch é o novo Clássico e hoje todos clássicos são Pop. São ciclos, ora virtuosos, ora viciosos. Recordo hoje essa grande artista portuguesa, esse vulto da lusitanidade que é Manuela Passos Guedes. Vinda da terra das matrafonas chegou à ribalta como locutora de continuidade na televisão, mas também foi radialista, jornalista, deputada e até comentadora. Multifacetada, cedo revelou talento para cantar. Foi em 1979 que lançou o seu primeiro disco, o single – “Conversa Fiada”. Premonitório, ou não, a sua carreira musical não ficou por aqui. Teve o seu zénite poucos anos mais tarde, em 1982, com o álbum – “Álibi”. Uma obra-prima em doze temas, um LP que fica para a história. Quem poderá esquecer cantigas como “A Hora do Lobo” e “Prova Oral”, ou a mais imortal de todas as odes – “Foram Cardos, Foram Prosas”?

Mas é outra a canção que hoje interpreta com mais sentimento, com mais emoção – “Procuro um Álibi”. É essa a aposta. Senhora de uma rara extensão vocal, de soprano a baixo, a artista prepara a próxima digressão com empenho e amor: Após meses de esperança e boas noticias, os indicadores económicos vão murchar. Será o “Equinócio De Outono”. A culpa, claro está, não será do executivo anterior, será isso sim, de quem o novo não viabilizar. É este o isco, o Álibi perfeito, a “Flor Sonhada”, porque “Fortuna é…” uma nova e absoluta maioria. Descansem os fãs, a “Cruela” campanha vai continuar…

Arco dos Clientes Habituais

12166363_1119166221444895_1117903354_n

A ideia de uma esquerda mais unida anda a pôr em estado de nervos muitos sociais democratas do PS do PSD e do CDS. Os jornalistas trabalham afincadamente em desenhar impossibilidades e fracassos. Até porque quem nos tem governado tem-no feito com sucesso inquestionável… com sucesso para uma classe que se apoderou do sistema político, dominado por interesses contrários ao país. A justificação da ilegitimidade de uma esquerda mais próxima com votos e tal aparecem tanto em políticos como jornalistas. Até porque os sucessivos governos têm tido uma legitimidade da esmagadora maioria dos portugueses, com taxas de abstenção de 40% e 50%. Porque o PCP e o Berloque defendem a saída do euro (mentira!) e da UE (mentira!). Pior ainda, que tanto preocupa o Cavaco, contra a NATO (e agora sim, é verdade!). Um entendimento ilegítimo, diz o PSD e o CDS, este último que com uma representação minoritária (como o BE e o PCP) fez uma coligação com o PSD e formou governo, e do alto da sua representatividade minoritária criou um novo cargo para a República, o de vice primeiro ministro. PSD e CDS estão perdidos e dispostos a tudo. Em nome dos de sempre, da Estabilidade, dos Mercados, dos Compromissos. Evocam o Abstracto para não evocarem os beneficiários do estado a que isto chegou!

E hoje, infelizmente para o Arco dos Clientes Habituais, as taxas de juro da dívida pública levada hoje a mercado, baixaram. A bolsa, central preocupação da certa elite política, subiu hoje. Afinal os mercados e a bolsa não estão assim tão nervosos. O nervosismo vem de quem vê ameaçado o rumo que o país tão bem tomou, têm privilégios a perder e interesses que têm que ser salvaguardados, e por isso as divergências e as lacunas entre o PS, o Berloque e o PCP são inconciliáveis. Interesses inconciliáveis entre os que nos trouxeram até aqui e aqueles que ousam querer alterar o rumo da nação!

Fonte: Expresso

TTIP – Chega de Notícias!

Como consumidor televisivo compulsivo que sou, sobretudo durante dias de mau tempo, estou profundamente indignado. Julgo merecer melhor serviço informativo. Pelo menos mais diversificado, menos repetitivo. A guerra pelas audiências provoca muitas vezes a exaustão de temas. Os exemplos dos incêndios no Verão ou mais recentemente das migrações de refugiados, ilustram bem a causa da minha revolta. Digamos que cansa. Deixa de ser notícia para passar a ser castigo. Muitas vezes me questiono qual terá sido a travessura que fizemos para merecer tal punição. Pior é constatar a ineficácia deste tipo de correctivo. No caso dos incêndios florestais parece que merecemos a advertência ano após ano. Reincidimos, parece.

ttip2

Não compreendo no entanto, que mal fizemos nós este ultimo fim-de-semana para merecer este massacre a propósito de uma arruada em Berlim: Telejornais, canais informativos, programas de opinião e comentário não falaram de outra coisa! Foi terrível! Sempre, constantemente, segundo a segundo, repetindo que cerca de um quarto de milhão de pessoas saiu à rua na capital da Alemanha para se manifestar contra o acordo transatlântico TTIP.  Foi no Sabado. Diz quem se manifestou que algo está a ser feito nas nossas costas, que os dirigentes europeus não estão mandatados para fechar tal acordo.

ttip3

Mas se nós por cá, bem comportados como sempre, nada temos a opor, por que motivo havemos de ser massacrados com isto? Não teremos nós direito a conhecer mais pormenores sobre a vida privada dos jogadores ou treinadores de futebol nacionais? E na falta de noticias sobre desporto, não existirão factos da nossa política doméstica ainda por noticiar? De tudo isto somos privados devido à monopolização do tempo informativo pela manifestação anti-TTIP. Uma vergonha.

Estamos perante mais um nítido caso de excesso informativo, pois com certeza que o tema é irrelevante… Chega, parem de dar a mesma noticia!

A Vós, e a todos os Outros

Meus amigos, e amigas, pretéritos, presentes e futuros; porque, a todos acolho como correligionários nesta ocasião.

Fala-vos, um sonho.

Consultadas a avisada esquerda, a envolvente direita, o Altíssimo para que uma luz transcendente me alumie, e as profundezas do ser para um pingo de vergonha neste corrupio infernal, venho a vós para que saibais das minhas demarches para este fim-de-semana, que, prevejo atribulado e trabalhoso, mas, sem dor, porque para vosso bem.

É do vosso conhecimento a minha dificuldade para formar governo. Sei-vos apreensivos.

Para os muitos que pensam ser simples a tarefa de vos governar, está explicada a razão porque tão raros são os candidatos a tão nobre, mas árduo, encargo. Porque não se trata dum trabalho, tão pouco duma profissão, mas antes, dum sacerdócio de responsabilidade. Uma chama da vida.

Feito o intróito, e porque vos quero sempre informados dos nossos destinos e vossas escolhas maiores; faço-vos saber que estarei reunido nos próximos dois dias com a maior fatia da oposição, de forma a chegarmos a um entendimento sobre o que fazemos e faremos aqui.

A Nação tem sido acusada de não dar importância ao movimento que, num crescendo, ano após ano, de eleição em eleição, década a década, se tem visto ostracizado pelas estruturas e até!, pasme-se o querido compatriota!, pela própria Constituição da República que, não respeitando o querer da maioria significativa da população vivente e ausente, lhe desrespeita o querer de mudança. A sua soberana escolha.

Falo-vos do Movimento Abstencionista, essa mole humana de gente crente em que, um dia, se lhe pergunte: – Porquê?!, com ou sem exclamação mas, com o interrogatório interesse em saber a razão, ou as várias, que demovem esta pobre gente sem voz, sem outra forma de luta, sem representatividade líder ou porta-voz, do habitual cortejo à urna. É vê-los refugiados na esplanada, sob o jugo do calor, no shopping apreçando o improvável, na praia, esse refrigério do Estio, no estádio, libertando as tensões do viver, no cinema, espairecendo no sonho alheio, nos parques confabulando com os iguais a inclemência das medidas, nas suas humildes casas aguardando, faça Sol, chuva ou nevoeiro, que alguém lhes traga, como uma esmola, o pão nosso de cada dia prometido por quem, cala-te boca, lhes oferece durante quinze dias insistentemente, e quatro anos, compassadamente, a glória da sua escolha e governo. Tende pena cidadãos!

Os números são relevantes e dignos dum estudo académico para posterior responsabilização da Pátria pelo “estado a que isto chegou”. Não se admite.

Chamados à acção em 1975 com 8,34% da preferência da população, foi-se construindo o crescendo sólido e consistente, atingindo os dois dígitos no ano seguinte e, passadas as duas dezenas nos anos oitenta, as três dezenas nos anos noventa e as quatro dezenas no final da primeira década do século XXI. Com esta progressão, creio, atingirá a maioria absoluta ainda esta década. É obra!

Apontem-me, amigas e amigos, Portuguesas e Portugueses, partido, facção, querer ou protesto, que tenha crescido tanto em intenções como a que aqui apresento como alternativa e para governo.

Volto aos números para esclarecer que, os apresentados, se referem apenas a Eleições Legislativas e que, estas, as últimas, revelaram, embora em abrandamento, um crescimento de 1,77%, sendo, no entanto, o maior resultado de sempre.

Para presidenciais já uma vez ultrapassou os 50% (2011) e, só não deu à luz um presidente, porque já era gente nada.

Para as Europeias, nem é bom falar… 66,10% nas últimas (2013)… Bem se vê que a Europa não interessa a “ninguém”.

E porquê chamar à liça dos destinos da Nação esta força em crescendo se temos tantas alternativas, e cada vez mais?

É que, apurados (quase) todos os votos à data em que discorro, e deixando para a maturidade os restantes porque pequenos (cresçam, e apareçam!), restam-me quatro pobres alternativas para formar governo e ter quórum, a saber:

PàF          – porque foi a mais votada,

PS           – porque se fez o maior da oposição,

BE           – porque foi a revelação,

CDU         – porque ganhou mais uma vez.

Quanto ao PSD, sabemos, foi quem trouxe o descontentamento e a desgraça ao país nestes últimos quatro longos anos; por isso, o povo não o quer. Sabemo-lo pela larga contestação, incómodas greves e manifestações de rua. É um facto.

Sobre o PS, valha-o Deus e as almas santas, não acerta com os cartazes, com as contas, com as amizades, com os candidatos a presidente; vejam bem que nem para almoçar aparecem todos (se é que “todos” foram convidados…). Não falo aqui em contas antigas senão, teria que meter na mesma urna o mais votado e ninguém quer ter nada a ver com semelhante. É um facto.

O BE, o terceiro mais votado (embora isso hoje não tenha importância nenhuma), está de parabéns por ser o primeiro partido feminino da nossa querida República. Não estou a chamar-lhe feminista; conhece-lhe algum homem com funções de relevo e a dizer coisa-com-coisa? Eu também não. Podendo vir a ser violentamente criticado por estar a relevar o género, digo-vos que, foi uma agradável surpresa. Mas, a verdade, é que não sabe muito bem o que se está a passar nem como há-de ser… É um facto.

Resta-me o PCP (esqueçamos por momentos a sua coligação que, como outra que cá sabemos, quem vai a reboque há-de dizer sempre que sim). E aqui, tenho um problema capital. É que, embora em quarenta anos tenha sempre falado pelo povo, o povo não lhe dá importância nenhuma, não lhe liga pevide. Noventa e dois por cento (92%) dos eleitores, não votou nele. Parece mentira, não parece? Tal é o alarido. E, o máximo que conseguiu foi, no longínquo 1983, se bem me lembro, 18%, vindo a decrescer sempre e consistentemente até aos nossos dias, que são hoje. É um facto.

Mas, contra factos há argumentos. E assim se faz política.

Nós, reuniremos afincadamente, e por vós! Temos hora marcada e já sabemos a ementa.

E como não podemos estar todos, tenha também bom apetite.A Vós, e a todos os Outros

Star Wars – Salacious B. Crumb

A principal característica da saga Star Wars é a sofisticação dos efeitos especiais. Mas na verdade são os pequenos detalhes que tornam o todo mais verosímil. Algumas mega produções são por vezes descredibilizadas por pequenas falhas de guarda-roupa ou de adereços. São precisamente estes últimos que fazem a diferença nos filmes de ficção científica. Credibilizam a narrativa e dão cor ao enredo.

Sem prejuízo de num futuro próximo regressarmos às personagens, vamos hoje apresentar um pequeno grande detalhe desta saga, um adereço, um animal de estimação, um bichinho-come-cascas – o malvado Salacious Bruno Crumb. Muito embora o seu desprezível papel se resuma a brevíssimos segundos de aparição ao longo de toda a saga, não é parvo. Surge quase sempre rodeado de caras bonitas. A qualidade de manipulação deste adereço é lendária. Chega a parecer de carne e osso, graças a uma natural e muito fluida linguagem corporal. Ficará para sempre famoso pela assertividade das suas conclusivas no Twitter…

Salacious-Crumb