Monthly Archives: Janeiro 2017

Kamikaze

a6-zero

O momento era grave, a situação difícil mas foi da surpresa que oportunidade surgiu. O inimigo navegava à vista, crente e confiante na vitória apesar das diferenças de opinião a bordo. A guarnição da geringonça acreditou que podia discordar, unida nos seus antagonismos, mas enganou-se. Pronto para o supremo sacrifício, lá estava Pedro, o Kamikaze Coelho. Não hesitou. No afã de sempre servir o supremo interesse da nação atacou destemido o invasor, a frota do aumento do ordenado mínimo, esses usurpadores!

Fê-lo sem olhar para trás, porque da coerência não reza a história e a dita, como sabemos, é escrita pelos vencedores. Queria ganhar, repelir aqueles que têm revertido a sua obra. Apostou no tudo ao nada, ignorando as consequências, concentrou energias nos danos causados ao inimigo. Preparou-se para partir, tomou o Saquê e proferiu o grito de guerra – Vou salvar a concertação social, em especial as confederações patronais, pobres reféns do governo. O objectivo era nobre, a vontade férrea e o instinto de autopreservação nulo. Determinado, voou picado no seu Zero.

Porém, após o severo impacto, sobretudo mediático, a geringonça reagiu. Lambeu as feridas, reparou os danos e manteve-se à tona. O choque do primeiro embate ao invés de acicatar as diferenças, gerou consensos, refez amizades, restabeleceu afectos. O guerreiro Kamikaze inspirou os seus, mas a geringonça arrumou as hostes graças à violência do ataque. O efeito surpresa fez despertar as consciências na frota de esquerda, a todos relembrou sobre o mal que os une, o ódio a Pedro.

pedro-kamikaze-coelho

Anúncios

Missguided

balistica-desgovernada

Paira sobre Londres uma enorme nuvem em forma de cogumelo. O supremo tribunal do Reino Unido confirmou que o governo não pode per si invocar o quinquagésimo artigo do tratado “porreiro pá” de Lisboa. Será a câmara dos comuns a deliberar. Uma bomba atómica para o executivo de Theresa May, mas não é a única. No verão passado, o parlamento britânico debateu, votou e aprovou a continuidade do programa de dissuasão nuclear Trident. Dissuasão, embora pareça eufemismo, consiste num conceito estratégico óbvio, a represália. Qualquer pretensão de ataque nuclear contra as ilhas britânicas é dissuadida pela certeza de retaliação.

O programa Trident é composto por três elementos essenciais: os mísseis balísticos de fabrico norte-americano; as ogivas nucleares de fabrico britânico; e os lançadores, os submarinos da classe Vanguard, também de fabrico britânico. Ora, foi precisamente a substituição desta última componente que foi votada no passado dia 18 de Julho de 2016 (apenas cinco dias após a tomada de posse da actual chefe do executivo) e que aprovou a construção de uma nova classe de submarinos, denominada classe Dreadnough. Optaram por manter a sua capacidade nuclear, capacidade que na NATO apenas é partilhada pela França e pelos Estados Unidos da América. Não quiseram ficar reduzidos à condição de parceiro anão, qual alemão, na aliança atlântica.

Contudo, esta opção estratégica está hoje envolvida em polémica, consequência dos rumores vindos a público que dão conta de um gravíssimo problema durante o último teste de lançamento, efectuado em Junho do ano passado pelo HMS Vengeance (S31). Parece que ao invés de se dirigir para o alvo na costa Africana, o míssil sem ogiva nuclear, ter-se-á dirigido aos Estados Unidos da América. Eventualmente, decidiu voltar a casa com saudades, mas independentemente das razões materiais, o incidente coloca em causa a virtude de tão avultado investimento. Suspeito que o executivo britânico esteja neste momento reunindo no bunker de Pindar em Whitehall…

balistica-desgovernada-2

Reformado na Argentina

adolfo-em-buenos-aires

O revivalismo dá provas de não ser moda passageira. Seja filme, produto, utensílio ou traje do passado, todos têm hoje uma nova oportunidade para brilhar, para atrair milhões de consumidores. O mesmo se passa com as teorias da conspiração. De quando em quando, lá surge como novidade uma conspiração antiga. Reciclada ou com novos indícios, emerge acima da linha de água mediática e ali fica a boiar uns tempos. Depois afunda. Vão alternando, para não fartar. O consumidor é exigente!

São como os boatos, são um produto, uma multiplicação com dois factores: o interesse e a ambiguidade. Quando um deles é zero, o boato anula-se. Ora, a boa teoria da conspiração tem sempre muito interesse e ambiguidade quanto baste para que nada se consiga provar. No fim, tudo se resume à crença de cada um. Uma questão de opinião, de palpite (os anglo-saxónicos chamam-lhe “feeling”) ou até mesmo de fé. Importante é começar por promover bem através do anúncio prévio, tal qual feito nos Panamá Papers

Não obstante o ocasional fiasco, recebi com entusiasmo o anúncio de regresso da velha teoria conspirativa sobre o austríaco, portador da Cruz de Ferro e líder do nacional-socialismo germânico: não se terá suicidado no bunker da Chancelaria em Berlim, fugiu e viveu tranquilamente até à sua morte na América do Sul.

Não querendo com detalhes estragar a surpresa da próxima semana, devo apenas confirmar que gostava de passear em Buenos Aires e nunca faltava a um jogo da selecção Argentina. Era um fervoroso adepto.

claque-da-argentina

 

Operação Opereta

matos-fernandes-f16

A Central Nuclear espanhola de Almaraz fica na margem esquerda do rio Tejo, a cerca de 100 quilómetros da fronteira com Portugal. Construída durante a década de setenta do século passado, começou a funcionar no início da década seguinte. A longevidade inicialmente prevista foi já superada, sendo que a intenção de construir um armazém de resíduos nucleares nas suas imediações denuncia a vontade de mais uma vez estender no tempo a operacionalidade da central, hoje prevista até 2020.

O nosso país, nação não nuclear (com excepção do concelho de Loures), sempre atento, preocupado e intransigente em questões ambientais, manifestou de forma (mais ou menos) atempada a sua preocupação. Face ao processo de decisão unilateral do país vizinho, a nossa máquina diplomática diligenciou com celeridade, manifestando o nosso desagrado. Contudo, tais missivas não produziram qualquer resultado, pelo que de pronto se instalou a polémica. Recordei-me a este propósito de um outro diferendo entre dois países sobre questões deste género, no final do século passado. O diferendo, foi definitivamente resolvido no dia 7 de Junho de 1981, quando o mais pequeno desses países destruiu o reactor nuclear que estava no centro dessa disputa. Esta ousada acção militar ficou conhecida como Operação Ópera, onde aviões F16 voaram baixinho e no limite da sua autonomia bombardearam o alvo.

Por cá, após conversa entre soberanos, o titular da pasta do ambiente foi destemido a Madrid. Viajou de F16 e no regresso até sobrevoou a central, mas a única bomba que largou foi a queixinha. Foi a Operação Opereta… Bufa!

operacao-opereta-final

Tiro ao Boneco

Pérfido e vil traidor à pátria, ingrato e rancoroso, mesquinho e malfadado, eis o perfil que convém ao vilão do momento mediático. Na hora de glória do filho mais pródigo da nação, na falta de melhor notícia, nada como uma parangona sobre traição à nação e aos seus símbolos, sobretudo aos de carne e osso. Compreende-se. No momento de idolatrar o melhor do mundo, uma vez esgotada a notícia da vitória, nada como o contraste entre a virtude e a ignomínia, uma notícia para execrar outra personagem. Bem, pelo menos à primeira vista porque após leitura tudo se relativiza. O protagonismo coube a um velho desafortunado da nossa história desportiva, ex-seleccionador nacional de futebol, Carlos Queiroz. Parece que entre os seleccionadores com direito a voto na eleição dos melhores, não favoreceu os compatriotas a concurso.

Terá mesmo votado contra? Em rigor, não! Não, porque não lhe coube a decisão sobre o sentido de voto. Foi mandatado. Se em Roma, sê romano, em Teerão sê iraniano. Parece que entre os persas, tal como nas grandes e liberais democracias do mundo, a lógica de um voto por cada homem cede o lugar ao colégio eleitoral, composto por super-eleitores, treinadores da Iran Pro League, que entre si decidiram o voto do treinador português, seleccionador do Irão e injustiçado vilão de mais esta desventura. O caso não é de todo aquilo que aparenta, mas à maioria pouco importarão os factos. Perante a notícia manipuladora, avançará o pelotão de fuzilamento. Vamos ter tiro ao boneco.

tiro-ao-boneco

Nacionalize-se o Banco

Foi na passada quarta-feira, que o primo do anterior dono disto tudo foi ao antigo armazém de bananas para fazer a sua comunicação ao país, isto é, dar uma entrevista ao macaquinho de serviço. Começou por manifestar orgulho na família e no seu negócio secular, não obstante a última década, período que reconheceu não ter corrido assim tão bem. Feita a pequena introdução, avançou para o essencial da mensagem e sem rodeios, como é seu hábito, disse o que lhe vai na alma de banqueiro. Quando a ética profissional lhe limitou a frontalidade, lá esteve o interlocutor para complementar e dizer o que não deve ser dito. Útil, eis a vantagem do entrevistador, ser o ponto.

O projecto não mudou muito, é o de sempre. Sonha liderar a instituição fundada pela família há mais de 100 anos, aquela que hoje está à venda. É esse o seu propósito. Uma vez traído na sua intenção pelos novos donos do antigo BESI, pediu a demissão. Confesso a minha simpatia para com esta determinação e foco. Está obstinado e comprometido com o desígnio de recuperar o ancestral negócio familiar. É bonito.

E agora? Bem, gorado o negócio da China, e como dinheiro que chegue não tem, achou por bem denunciar essa prática imunda da comprar, retalhar e vender. Opõe-se ainda a qualquer venda que obrigue a quaisquer garantias ou contra-garantias do estado. Quer ganhar tempo! Demonstrou assim manter intacta a capacidade de compromisso táctico e estratégico. Implacável e pragmático, qual Czar-Vermelho, afirmou peremptório: Nacionalize-se.

nacionalize-se

Última Hora: Indesmentível e factual

Uma importante investigação jornalística acabou de ser divulgada, gerando grande polémica e espanto entre todos os telespectadores. Os factos são indesmentíveis e foram finalmente divulgados pelos meios de comunicação. As novas tecnologias tiveram um papel preponderante na condução da ciosa investigação, tendo permitido obter provas irrefutáveis dos factos apurados e confirmados pelas fontes anónimas, as quais permitem hoje afirmar com total certeza e convicção que a última hora terminou exactamente sessenta minutos após o seu início.

Eis o exemplo de conteúdo bem-sucedido nas redes sociais. Nem sequer precisa de ser mentira, basta dizer “Última Hora”, ser ilustrado com um rosto conhecido ou polémico, conter ambiguidade quanto baste e claro, repleto de suspeição e mistério. No fim, pode até não dizer nada. A mera ilusão de que algo de grave será revelado é suficiente para despertar a curiosidade do internauta, seja ele ou ela, perspicaz ou denso de processo cognitivo. Somos uma espécie fácil de pescar online, com a agravante do isco ser abundante e por isso acessível a todos.

Nos últimos tempos têm-nos tentado convencer que o problema reside nas chamadas notícias falsas, mentiras torpes que ameaçam um mundo paradisíaco e que nunca até aqui tinha sido palco de qualquer forma de manipulação. Revelam-nos até milagrosos planos de prevenção e combate a esta terrível ameaça ao equilíbrio do planeta. Devemos desconfiar desta nova embalagem da (julgada) extinta censura? Talvez, mas antes de aderir à teoria da conspiração, uma singela, quiçá inocente, pergunta: O problema está nos emissores ou nos receptores?

ultima-hora