Monthly Archives: Setembro 2011

Muhammad Ali – O “spin doctor”

A pretexto da crise das dívidas soberanas, observámos as técnicas e estratégias de comunicação da generalidade dos líderes. Constamos que todos sem excepção cumprem com grande rigor as recomendações, os fundamentos, de Cassius Marcellus Clay Jr, concretamente: “Float like a butterfly, sting like a bee” (“Flutuar como uma borboleta, picar como uma abelha”).

Muhammad Ali

Em que consiste? Pois bem, são três os fundamentos básicos: 1) Mexer muito as mãos; 2) Prometer muito; 3) Esquivar para se manter de pé. Liberal ou Progressista, a dinâmica é igualmente simples: Se destro, insiste no directo de esquerda. Quando é a direita que insiste, boxa um canhoto.

A técnica mantém hoje os níveis de eficácia da pré-história. Como é possível? Já todos sabemos que a insistência de golpes com um punho visa apenas baixar a guarda, para então com o outro punho, pleno de potência, desferir o derradeiro golpe.

Todos o sabemos no entanto funciona! Porquê? Numa palavra, incómoda. Incómoda-nos a agressão repetida. Por mais devastadora a consequência, não resistimos a baixar a guarda. Como que dizemos, já chega. Irónico, pois quando parece ter chegado o limite da resistência, dela é exigido mais.

A questão que se impõe à data é saber se a recente revelação das contas da colonia ultramarina da Madeira foi um golpe de esquerda, na expectativa de com isso esconder o verdadeiro golpe com a direita, ou se pelo contrário foi já ele proprio o golpe final?

Anúncios

Panoramix fez a barba

Panoramix, O Druida

A aldeia compareceu em massa, pois o momento era solene. O único conhecedor do segredo da poção mágica exclamou: corte! O jovem barbeiro vacilou, mas cumpriu o protocolo.

A primeira visita à barbearia decorria com dignidade e distinção, quando o venerável druida declara inesperadamente: O céu pode cair-nos em cima da cabeça. Tudo depende da espartana possibilidade dos Helenos se safarem, acrescenta.

Confuso, o barbeiro questiona: Mas afinal o corte com tesoura não chega? A aldeia pressente a Foice, o druida confirma que é de Ouro. O corte prossegue à lâmina.

1ª Entrevista

De barba feita, Panoramix a todos explica: Não há poção mágica. A sua preparação requer um ingrediente agora escasso. A esperança, ainda que ténue, reside na ajuda dos Godos. Observemos o seu apreço pelo rigor geométrico, é o seu derradeiro apelo. Mostrou a face, a aldeia pasma.

Pensamos, mas temos vergonha de dizer…

À boa maneira Lusitana a ordem do dia, a dita actualidade, é riquíssima em controvérsia. Contudo, há sintonia de opinião: “nem sim, nem não, muito antes pelo contrário” é conclusão unânime. Motivada por acefalia generalizada, dirão os mais cépticos. Discordamos. Ao cidadão Luso não falta espírito crítico, capacidade de análise ou cultura de exigência. É medo, dirão os mais crentes (adeptos de uma boa conspiração). Refutamos. A nossa história prova que somos destemidos.

O que se passa afinal? É apenas uma questão de comunicação, de boa educação, de moral cristã, mas sobretudo, por vergonha. Numa palavra: Timidez. Esta explica todos os fenómenos de aparente marasmo na nossa sociedade.

A ligeira discrepância nas contas da Região Autónoma da Madeira, é disto bom exemplo. Se por um lado, alguns mal-intencionados se precipitam a condenar, os responsáveis da nação teimam em não o fazer. Porquê? Pasme-se, por Timidez. Falta coragem para assumir o pensamento, e sobra vergonha em reconhecer o obvio: O Governo Nacional devia substituir o Governo Regional da Madeira, e vice-versa.

Substituição

Queremos alertar para o erro de recrutamento, o qual não será corrigido sem vencermos a timidez. Digamos o que em consciência pensamos: Desejamos ordem e rigor nas contas da Madeira, e por esse motivo pensamos que a austeridade deve ser aplicada. A equipa perfeita para este fim, é obviamente a do actual Governo Nacional.

Por outro lado, não deixamos de sentir simpatia pela irreverência do eterno líder Madeirense. Na verdade, fez aquilo que nem nós, nem o governo nacional conseguimos fazer: Fingir que não há Troika. Reconheça-se, é preciso coragem, e claro, descaramento. Tais características sobejam à equipa que Governou a Madeira, o que a torna na mais desejada (em segredo) para dirigir a Nação Lusitana.

É isto que por timidez ninguém diz, mas todos pensam: A Madeira deve ser metida na ordem, mas o Governo Central devia fazer à Troika, o que a Madeira fez ao País.

Fénix – 1ª Solução Infalível

Apresentamos aqui a nossa primeira ideia para o país. Vamos conciliar o impossível: Cumprir o plano da troika e simultaneamente fazer renascer das cinzas todos os grandes projectos de obras públicas.

Como o vamos fazer? Cancelamos todos os projectos megalómanos como: Novo Aeroporto, Nova Ponte sobre o Tejo, Ligação TGV Lisboa-Madrid, etc.

TGV

E depois? Depois pegamos em todos os estudos de retorno de investimento que suportaram as decisões de avançar e somamos as vantagens. Mas como se os vamos cancelar? Aí é que está, não vamos!

Confuso? Na realidade é simples: Não fazemos os investimentos, mas contabilizamos todos os seus benefícios.

Nova Ponte Sobre o Tejo

No processo, ajudamos os Estaleiros Navais de Viana do Castelo, a Mota-Engil, a Lusoponte, a Brisa, a Refer, a CP, a banca, todas as pequenas e médias empresas sem excepção e até a Transtejo! Garantimos Emprego e desenvolvemos know-how nacional.

Vamos ainda pacificar a guerra norte/sul, pois esta solução é flexível o suficiente para satisfazer todos os bairrismos lusitanos, e até mesmo os complexos de interioridade.

Mas qual é a ideia afinal? Pois a ideia é genialmente simples: Vamos comprar um Porta-Aviões em Leasing. Nem é preciso fazer estudos. É muito mais barato que todas as obras públicas, mas ainda assim permite operacionalizar todas as suas vantagens. Fénix será o seu nome.

Construído em Viana do Castelo, como viagem inaugural fará uma digressão nacional faustosa, mas no mais rigoroso respeito pelo contribuinte. Este ao sentir-se envolvido, mobilizar-se-á ainda mais para novos sacrifícios. Cumpridas todas as etapas da digressão, rumará ao vale do Tejo para entrar ao serviço do País e do Mundo. Aí, assumira funções como Aeroporto da OTA e Aeroporto de Alcochete (Portela+2), nova ponte sobre o Tejo e interface logístico com a linha de TGV que estava previsto morrer na praia. Poderá ainda, em dias de maior afluência, reforçar a oferta da Transtejo. A todos os benefícios óbvios, devemos acrescentar a merecida compensação a todos os que honestamente especularam com os terrenos em torno da OTA. Até as injustiças criadas ao cancelar esta obra serão corrigidas.

Fénix

Em termos de coesão nacional, e sempre que se verificarem desacatos bairristas, Fénix rumará por mar aos locais dos tumultos com missão de apaziguar as hostes. Se tal não se verificar de imediato, bombardeia-se as ditas para que Fénix possa regressar rapidamente às suas funções. Se algum desacato ocorrer no interior, Fénix rumará a montante de rios e seus afluentes, podendo no processo proporcionar às suas tripulações lindíssimos passeios turísticos.

Fénix é sem qualquer dúvida a solução infalível de que o Reino necessita e merece. O número de soluções inovadoras e valências complementares é tal que não nos atrevemos a tentar enumerar nesta ocasião. Oportunamente o faremos.

Todos os contributos à nossa causa serão bem-vindos, mesmo daqueles que a ela se opõem.

O Plano Secreto para Salvar o Reino

Diversas fontes incógnitas referem transcrições de comunicações entre responsáveis da nação, nobres barões e iminências de todo os credos, nas quais são detalhados todos passos de um plano de salvação do Reino.

Existem igualmente fortes indícios que vários membros da câmara dos comuns estariam a par deste Plano, mas por razões ainda desconhecidas, optaram por o manter secreto.

Recentemente, responsáveis do maior movimento cívico nacional, a Abstenção, assumiram a intenção de incluir o Plano Secreto no seu programa eleitoral, mas por avisado conselho dos seus “Spin doctor” optaram por não o fazer. Apesar da genial simplicidade do Plano, explicar todas as suas vantagens seria um exercício de comunicação condenado ao fracasso. Como promessa eleitoral teria pouco impacto mediático, pelo que a hipótese foi preterida nas últimas eleições. Mesmo assim, ganharam!

Abstenção

Com ou sem memorando, Povo, Burguesia e Clero podem encher-se de confiança, pois o submundo que se faz transportar nos “carros de alta cilindrada” tem um plano de salvação para colocar em prática… Se e só se estritamente necessário.

Nomeação do 1º Lord do Almirantado

A polémica instalou-se no Reino.Se as orientações provem do ministério do mar, e apenas dele, a bondade e mais-valia do novo modelo de gestão é questionada: “se não existe necessidade de conciliar interesses, se a cadeia de comando é simples e as ordens claras, porquê ampliar o almirantado e porquê nomear um 1º lord?”

Modelo de gestão do Almirantado

Julgamos óbvias as respostas:

1) A resposta à primeira questão, concretamente porquê nomear mais Almirantes em tempo de crise orçamental e financeira é que tal decorre da complexa rede de Ancoras e correntes em toda a frota, pelo que o princípio “todos seremos poucos e toda a ajuda é bem-vinda” se aplica na perfeição. Em breve ficará inequivocamente provada a eficiência deste subtil aumento de custo.

2) Se o Reino tem dois soberanos, Rei e Rainha em coligação (excepto colonias ultramarinas), o Almirantado será ajudado pela função conciliadora do 1º Lord. Não obstante a cadeia de comando simples e directa, reportando directamente ao Ministro do Mar em questões de gestão de frota, é relevante para o reino a atenção ao detalhe na venda de todas as embarcações de recreio que a Armanda está comprometida a alienar.

Viva o Reino, a Armada e o Almirantado!

O “enorme” problema da fuga de quadros…

A justificação recorrente para a desproporcional diferença entre a remuneração de chefias e chefiados é a inqualificável frase feita “temos que evitar a fuga de quadros para o estrangeiro”. Porquê Inqualificável? Vejamos. Christine Lagarde, foi por diversas Christine Lagardevezes Ministra de França (Economia, Finanças Industria; Agricultura e Pescas; Comercio Internacional). Actualmente como CEO do FMI, aufere menos de 20.000€/mês. Provavelmente a frágil economia Francesa não consegue pagar tanto como o FMI…

Atendendo às circunstâncias, ao grau de exigência e responsabilidade do cargo exercido por Lagarde, o qual é nitidamente inferior ao assumido por qualquer “boy”, entendemos que é nossa obrigação deixar fugir os talentos.

Geração “à rasca”

 

Portugal tem que ser altruísta.

Em nome de um bem-estar globalizado devemos deixar “fugir” todos os talentos (quais gurus) da Gestão Lusitana.

Em nome da contenção devemos contentar-nos com talentos mais baratos e ceder os nossos ao mundo! Este, merece melhor, e nós não merecemos os génios que temos.

 

Vantagens:

1) Poupamos, pois os gestores do sector empresarial do estado ganham bem mais do que o CEO do FMI.

2) O mundo será muito melhor. A qualidade da gestão Lusa terá resultados muito diferentes dos verificados na Pátria, simplesmente porque toda a responsabilidade da situação actual é obviamente de todos os desgraçados que irresponsavelmente se endividaram muito para além das suas capacidades. A competitividade e saúde financeira de todo o nosso tecido empresarial é o cartão-de-visita do gestor Luso… o que estraga tudo, é o “Tuga”, que é jovem e não pensa.

3) Equidade e justiça social. Obviamente que o Tuga ao verificar que afinal a sua chefia aufere apenas doze vezes mais do que a media nacional, tranquiliza-se, mobiliza-se e trabalha melhor. Afinal de contas, os génios ganhavam para além de vinte vezes mais.

Por tudo isto, e muito mais (mas fica para outra vez), apelamos:

Deixem-nos fugir!

Deixem-nos fugir…

Se o Navio Escola falasse…

Albert Leo SchlageterNasci na Alemanha em 1937 (Hamburgo), pelo que tive sorte com a qualidade de construção (Blohm+Voss). A dita sorte faltou-me logo no dia do baptismo. Deram-me o nome de “Albert Leo Schlageter” (herói alemão, nascido e fuzilado num bosque perto de Düsseldorf). À boa maneira Germânica, vivi uma vida saudável e disciplinada até ao final da 2ª Guerra Mundial.
Em 1945 fui capturado pelos EUA. Por lá fiquei a ganhar pó até que em 1948, fui adquirido pelo Brasil numa venda de garagem. Velejei rumo a Sul, desta feita respondendo pelo nome “Guanabara”, o qual mantive durante 13 anos. Foi giro. O clima do Rio era porreiro e a comida também.

Em 1961, Portugal reconheceu o meu valor e comprou o meu passe. Nunca esquecerei este reconhecimento, pois não é todos os dias que alguém paga 30 vezes mais do que eu tinha custado ao Brasil.

N.R.P. Sagres (A520)

No início de 1962 recebi o nome que hoje tenho, N.R.P Sagres III, o qual orgulhosamente ostento em honra do meu patrono, o Infante D. Henrique.

Em quase meio século ao serviço da Armada, fui por certo exemplo inspirador para os responsáveis políticos da nação a que sirvo: O processo de aquisição dos novos submarinos, é boa prova deste carácter inspirador.

Tridente (U-209PN) [U-Boot-Klasse 214]

É nítida a observação do meu trajecto de vida: Não acredito na mera coincidência entre a minha qualidade de construção e a dos novos submarinos. A minha captura em tenra idade encontra igualmente paralelo quer no preço, quer nos prémios pagos aos intermediários, olheiros, agentes desportivos e especialistas que ajudaram quem vendeu e quem comprou.

Estes últimos, os especialistas, são-no de pleno direito e as suas credenciais tão imaculadas como imaculado é o talento alemão para o Samba, ou o Brasileiro para o estrito cumprimento de procedimentos (virtude naturalmente herdada do colonizador).

Classe Nimitz ( “Ike” CVN69)

À data só lamento que a nação germânica não tenha ainda aprendido a fabricar Porta-Aviões.

Já teria pelo menos um a meu lado. Afinal, a idade não perdoa e os meus 74 anos reclamam por companhia.

Talvez me façam a vontade por altura das minhas bodas de diamante…

A pesca da Palmeta

A cota de pesca de palmeta no mar do norte atribuída ao Reino excede a capacidade da frota pesqueira. A traineira lusa há muito que deixou de ser referência tecnológica e/ou de ecoeficiência.

A vasta frota pesqueira do Reino de Portugal

Quanto às tripulações, quais desclassificados seres, pouco a nada haverá a dizer. Pobres analfabetos, entram a bordo em busca do pecaminoso prémio por desempenho. Já sobre o Mestre de traineira, ainda que pouco, algo haverá a dizer. É o chefe, é o líder. Sem ele, não há pesca. Nem muita nem pouca, não há! Sentado ao leme, na ponte, assume a responsabilidade de zelar pela embarcação, pelos resultados e até mesmo pela vida da tripulação.

Subindo na hierarquia, o armador, ou dono da traineira é por vezes o Mestre da sua própria embarcação. Quando assim é, está a bordo, partilha riscos e proveitos, e não vê pecado nos prémios por desempenho. Sabe que cada membro da tripulação com ele partilha risco, e por mais desclassificada a pessoa, merece o seu prémio, pois esta exposição ao inesperado é em si uma forma de empenho, um vinculo para com todos a bordo.

E quando o armador não é o Mestre e não está a bordo? Pois bem, nestes casos, a preocupação maior é a eficiência do custo. As variáveis a bordo são secundárias em relação às variáveis em terra. Significa que o custo do Gasóleo dita ajustes “inevitáveis”.

Como fazê-lo nestes casos? Investindo ou cortando?

Investir: melhorias na embarcação, visando a redução do consumo; em meios de detecção de pescado, aumentando a eficácia por dia no mar, e consequentemente reduzindo custos operacionais; na formação e melhoria de procedimentos das tripulações; Não, nenhuma é considerada. Porquê? Porque obrigam a assumir risco! A solução óbvia é cortar, e fazê-lo onde é mais fácil, ou seja, nos prémios por desempenho. Afinal a remuneração do Mestre é intocável. Já os prémios de quem partilha risco, são apetecíveis por tão fáceis de cortar.

O corte é indolor para este tipo de armador, pois ignora por completo o que significa embarcar. Quando navega, só faz por recreio e apenas em dias especialmente escolhidos para o efeito. Julga-se conhecedor de uma realidade sobre a qual não compreende (nem imagina) como está dependente da coragem, ímpeto e empenho de Mestres e tripulações. Tem ainda um aliado inesperado: a rude moral lusitana, a qual atribui um estranho valor pecaminoso ao prémio por desempenho, como se este do demónio emana-se. Ao trabalho não devemos associar desempenho, vontade ou resultados. Não, a Lusa moral diz-nos que o importante é nivelar por baixo, diz que não só não se deve premiar o desempenho, como tudo deve ser feito para proteger a abstinência e a mediocridade.

Minimiza-se o risco, cortando proveitos a quem o está preparado para assumir e partilhar o dito risco. Cumpre-se desta forma o objectivo de curto prazo, relativizando os impactos de médio ou longo prazo: quando a remuneração da Tripulação é exclusivamente dependente dos factores que esta não controla, como o preço do gasóleo, resigna-se, acomoda-se e dedica-se à fé, e não ao trabalho. Os Mestres reformam-se sem transmitir o saber, por não existir a quem transmitir.

De tanto risco conter, nenhum ficou para correr! A frota degrada-se, perde irremediavelmente a competitividade. O Armador muda de negócio…

O Bacalhau dos Pobres

A Palmeta agradece!