Monthly Archives: Outubro 2016

Cozinho para o Povo

Estreia esta semana a nova grelha de programação do canal que está a revolucionar a televisão portuguesa. Esta transformação, lenta mas profunda, nota-se particularmente nos serviços informativos. Outrora aborrecidos, sem emoção ou espectáculo, os noticiários são hoje pródigos em sensações fortes. O Canal, o tal revolucionário, é especialista em crime e derivados. Obrigou todos os concorrentes a inovar o alinhamento noticioso, fornecendo-nos (até que enfim!) boas e intensas reportagens de tragédia, violência e miséria moral. Ah, portugalidade esquecida e ostracizada que finalmente é exposta ao escrutínio de toda a população. Agora sim, a televisão como espelho de nós próprios, tal e qual aquilo que somos. Não há psicopata cuja barbárie não seja uma enorme, chocante e totalmente inesperada surpresa para todos os vizinhos e convivas. São pacatos e amigos do seu amigo, adeptos de boa, tradicional e bem condimentada cozinha portuguesa. Paninhos quentes e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém…

Esta massa (a)crítica a que vulgarmente se chama “Classe Média”, clama e agradece todos os programas de comentário e análise. Haja quem explique a culinária! Lá estará o Canal, o tal, a liderar a mudança. Novas causas, novo Menu. Depois da lavoura, da defesa do contribuinte e demais receitas, o irrevogável Chef cedeu o lugar à nova protagonista – Cozinheira de mão cheia, perita de reconhecido mérito em preparados “Redon“, lança-se agora na desinteressada ajuda a todos os telespectadores do Tal Canal, na sua nova rubrica de gastronomia com restos denominada “Cozinho para o Povo“. Pulverizar-nos-á com muita, imensa paprika!

 

cozinho-para-o-povo

Anúncios

Catch Me If You Can

Um clássico relativamente recente, um entre muitos dos êxitos do famoso realizador e produtor Steven Spielberg, “Apanha-me se Puderes” é um filme que nos conta a história de um jovem, autodidacta, dinâmico e espertalhão, boy de profissão cuja vivacidade permite exercer toda e qualquer função. Um caso raro de adaptabilidade e improviso. O logro funciona graças à ingenuidade geral. Consta que o próprio cita o conterrâneo de Tom Sawyer, Samuel Clemens: “É mais fácil enganar as pessoas do que convencê-las de que elas foram enganadas…”. E não é que funciona? Ele foi aviador, sem nunca pilotar, foi médico sem nunca tratar e até foi advogado depois de no exame passar. Assim prossegue o filme, sempre em crescendo de ousadia e descaramento, até à detenção final. Cumprida a pena, é recrutado para ajudar a investigar.

Tal por cá seria impossível! Em nenhum outro país a licenciatura é tão escrutinada como entre nós, não pelo seu valor cientifico ou profissional, mas simplesmente porque deixou de ser uma licença para aprender sozinho para se tornar um sinónimo de prestigio outorgado, independente e imune à (in)competência de quem a ostenta. Pessoalmente, estou-me nas tintas para tudo isto… Muito pior que um falso testemunho, foi a reacção à “investigação” jornalística. Confrontado com os factos, terá tentado enjeitar responsabilidade, dizendo que os dados publicados aquando da nomeação como adjunto do primeiro-ministro “baseiam-se nas informações prestadas pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra datadas de Outubro de 2009″. Inqualificável, mas revelador da estirpe dos “jotas”.

catch-me-if-you-can

 

Programa de Imobilidade Urbana

Sou um dos novos prisioneiros rodoviários de Lisboa, venho aqui reclamar das condições da clausura que me é imposta. Como me encontro nesta condição? Também para mim é um mistério. Como muitos era um honesto cidadão, cumpridor de horário rodoviário fora de ponta, sair de casa às 07h30m para fazer um trajecto de 30km entre a zona oeste e a zona do Saldanha, era coisa para demorar 30 minutos. Fui de férias de Verão, retornando em meados de Setembro, constatando que esses 30 minutos se multiplicaram por 2x ou por 3x, não excepcionalmente, é a nova norma.

Inicialmente dei o benefício da dúvida, são obras de curta duração, só que à medida que as estas são terminadas, sendo comidas uma ou duas faixas de rodagem em vários segmentos da Avenida da República, percebo que o novo constrangimento veio para ficar. Não consigo sequer dormir à noite com pesadelos sobre o agravamento que será imposto pelas intempéries de Inverno.

Outros efeitos colaterais são o embrutecimento e entristecimento das gentes, condutores que deixam de dar passagem, que stressam, praguejam e gesticulam muito mais, passageiros apáticos ao longo das paragens de autocarro, e quebras de produtividade nas empresas com atrasos ‘justificados’ e ânimos quebrados antes sequer de ser iniciada a labuta do dia.

Da câmara chega-nos um discurso do querer criar novos espaços, mais agradáveis à circulação pedonal, do querer diminuir o tráfego para e na cidade, do promover o uso de transportes públicos. Faz sentido, sobretudo se criassem as condições para a transferência das pessoas, dos carros para transportes de qualidade, antes da execução de medidas que quebram totalmente a actual dinâmica de mobilidade urbana. Certamente que não serão transportes públicos com equipamentos ultrapassados, sub-dimensionados e em agonia que teriam capacidade de resposta caso se desse uma rápida transição de condutores para passageiros.

Mais sentido faria uma política agressiva de promoção da habitabilidade. Nos anos 60-70 Lisboa chegou a ter 800 mil habitantes, hoje ronda os 550 mil, com mais de 425 mil pessoas vindas dos subúrbios que se deslocam diariamente para trabalhar ou estudar. O que quer dizer que, se fosse comportável, centenas de milhares de pessoas estariam dispostas a viver em Lisboa, reforçando aquilo que deveria ser, uma cidade lusa. Seria a recuperação de uma vida citadina na sua plenitude social, menos artificial e turística, com muito menos viaturas circulantes. Pelo que talvez a melhor resolução fosse a transferência do alojamento de turistas para os subúrbios, de onde poderiam ser servidos com transportes rápidos e de qualidade numa rede de muito menor dimensão do que aquela que seria necessária para transportar trabalhadores e estudantes.

É nisto que penso ao ficar retido no programa de imobilidade urbana em curso. Que direcção toma esta Lisboa que se formata pensando na exploração do veio turístico ao invés de promover a habitabilidade? Pretenderá perder o título de cidade capital para se tornar um cada vez melhor parque de entretenimento urbano?

programa-de-imobilidade-urbana

 

Nobel do Orçamento

nobel-do-orcamento

Longa foi a espera, semanas de grande expectativa, inquietação e até alguma ansiedade, mas a Academia Sueca lá divulgou finalmente o novo prémio Nobel do Orçamento. Anunciado o vencedor, de imediato se intensificou a polémica e se extremaram posições entre apoiantes e oponentes. Os críticos atacaram a obra do artista, os fãs enalteceram. Será Literatura? Prosa não é certamente e a poesia, segundo sei, nem sempre é assim. Uma coisa é certa, presta-se a todo o tipo de ambiguidade e a muito pouca certeza.

Em rigor é uma obra incomparável – O Orçamento não é comparável com nenhum dos que o precedeu. Todas as generalizações viáveis, toda a especulação possível, todas as interpretações sustentáveis à luz deste ou daquele detalhe, subtil ou abrupto. Compreender o seu verdadeiro impacto é um exercício de sensibilidade, logo, absolutamente subjectivo. Talvez por isso me incline para a poesia. Deve ser isso que o galardoado documento é, poesia.

Bob Centeno, poeta de fraquíssimos dotes vocais, mas cujo virtuosismo como instrumentista muito tem surpreendido, lá conseguiu dar-nos música, uma melodia manifestamente banal, mas suficientemente harmoniosa para conjugar os graves acordes de Guitarra requeridos pelos parceiros da banda “a geringonça”, com as notas de Harmónica (vulgo Gaita-de-Beiços) tão agudas quanto o exigido pela Europa. Não é de direita, também não é de esquerda, nem de centro. Nem sim, nem não, antes pelo contrário. É um Orçamento de protectorado. Deixámos de ser uma província submissa, obediente e periférica para passarmos a ser uma região quase autónoma, paralisada e dependente.

bob-centeno

Obrigado, obrigado, obrigado

Diz que devemos agradecer ao Universo por aquilo que nos concede tentando sempre descortinar o lado positivo mesmo quando o cenário parece catastrófico. Pelo que, quero aqui fazer a minha parte e realizar alguns agradecimentos relativos a eventos recentes.

Obrigado ao nosso Presidente da República que demonstra o impacto e influência que o seu cargo não executivo pode ter sobre quem está em exercício de funções, ora dando uma no cravo, ora dando outra na ferradura, ora sendo acelerador, ora sendo travão de ideias geringonças. Depois de retiradas as silvas o jardim de Belém parece agora florescer.

Obrigado aos chineses que nos ajudaram a trafulhar seus conterrâneos. Claro que o pagaremos caro, com juros, mas como bom povo mediterrâneo sabemos aproveitar ao máximo o sol de pouca dura antes da chegada de novo Outono-Inverno.

Obrigado à América por nos demonstrar a sua democracia vanguardista onde o embate político se tornou um misto de entretenimento e reality show ao estilo da “Casa Branca dos Segredos”. Mais importante do que ideias é saber que tipo de uso dá um candidato à sua genitália. Mérito ao primeiro a reconhecê-lo em Portugal, José António Saraiva.

Obrigado a Maria Leal por confirmar a qualidade dos curadores de artes performativas que apenas dão visibilidade e oportunidade a grandes valores artísticos.

Obrigado aos taxistas por com a sua manifestação nos fazerem esquecer por um dia a qualidade dos nossos transportes públicos, muito bem pensados à medida do orçamento possível.

Obrigado à Assembleia Geral da ONU por escolher um imaculado e verdadeiramente bem intencionado António Guterres para seu secretário geral. Também eu gosto e acredito na nossa picareta falante que tanto cresceu durante o seu mandato de 10 anos como alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, ou por outras palavras como responsável pela gestão de danos sociais causados pelas guerras mundiais. Foram 10 anos de forte crescimento onde mesmo assim se conseguiram milagres a nível orçamental gerindo-se a crise humanitária sem que fossem levantadas grandes ondas em termos mediáticos (só mais para o final a coisa se tornou um pouco viral mas rapidamente voltou a sair de cena). Desconfio que para os grandes líderes mundiais Guterres seja um género de picareta de São João, colorida e sonora mas que apenas dá pancadinhas de amor, em teoria fácil de aturar portanto. Agora com as rédeas de uma organização poderosa, com maior abrangência da sua área de influência e intervenção, espero que saia um pouco mais da casca procurando atravessar a fronteira da contenção em direcção à verdadeira resolução dos graves problemas mundiais. Se faz favor faça-se ouvir e aponte o dedo, doa a quem doer. Em último recurso não se embarace de trair alguns princípios e defender a capacitação dos refugiados para o reconquistar de tudo o que lhes foi tirado.

Finalmente obrigado ao PC e ao BE por se manterem fiéis ao PS garantindo assim uma estabilidade de pedra e cal que nos proporcionarão a todos um muito melhor Natal junto de nossos pais e avós um pouco mais sorridentes.

Tu és lindo Universo!

obrigado

Taxi Driver

Cientes que a cidade de Lisboa seria hoje alvo de repérage  para um eventual remake do original de Martin Scorsese, os taxistas da capital apostaram numa mega manifestação contra a concorrência desleal. Compreende-se, quatro décadas depois, a nova versão do filme poderia vir a chamar-se Uber Driver. É a revolução tecnológica pois então. O original, Taxi Driver, relata-nos a história de um jovem indignado com o mundo que o rodeia, manietado por licenciamentos e obrigações várias, revolta-se contra a libertinagem em geral e a pouca vergonha em particular. Na verdade perde as estribeiras e descamba. A intenção inicial, virtuosa que fosse, resvala para o disparate. Perde a empatia de todos, mesmo daqueles que com a sua causa poderiam concordar.

taxidriver_1

Hoje por cá, talvez procurando atrair os produtores da nova versão deste clássico do cinema, os donos dos táxis e das respectivas (caríssimas!) licenças promoveram aquilo que chamaram uma Manifestação de Taxistas. Alguma imprensa chamou-lhe “greve dos táxis”, o que é estranho, pois os condutores ou são empresários, pelo que o conceito de greve não se aplica, ou são funcionários e como tal estão a trabalhar no protesto, sem prémio de desempenho. Na verdade é uma acção de protesto, uma demonstração de força. Contudo, o bloqueio da cidade dificilmente atrairá simpatia dos habitantes, leia-se, potenciais clientes. Talvez fosse altura de mudar de estratégia, por exemplo procurando aliados em vez de entrar em guerra contra tudo e todos. Esta força que hoje procuraram demonstrar será a (curto) prazo a sua maior fraqueza.

taxidriver

 

Jabba the Guterres

Eis-nos de volta aos clássicos do cinema e à grande saga “Guerra das Estrelas”. A personagem de hoje está no pedestal da adoração nacional. Devotos de sempre e detractores de outrora, todos, unidos em uníssono elogiam o mestre do dialogo, Jabba the Guterres. O momento festivo resulta da sua nomeação pelo Conselho de Segurança para Secretário-geral das Nações Unidas. Jabba, ex-chefe do executivo desta pequena nação à beira mar plantada nos confins do continente Europeu, será o próximo líder das Nações Unidas. Não, não é ficção cientifica. Deixou a concorrência para tras e ganhou.

Curioso contraste este entre o percurso dos ex-primeiros que nos deixaram a meio do mandando. Um fugiu do pântano, terá um dos mais ingratos e exigentes cargos do mundo, o outro, aquele que encontrou uma nação de tanga, é “consultor” do banco de investimento mais poderoso do mundo. É giro!

A vitória é sem duvida um tónico poderoso, capaz de elevar uma picareta falante ao papel de ídolo nacional, uma unanimidade praticamente inédita. Bem, talvez não seja absolutamente inédita, a aclamação do futebolista Éderzito tem sem duvida semelhanças. De vergonha ao orgulho em segundos. Fantástico! Talvez venha desfilar pela capital abordo de um autocarro de dois andares, acenando à multidão entusiástica e no fim discursar na Alameda Dom Afonso Henriques, bem em frente ao Instituto que o formou, o Superior Técnico e no palanque proferir um patriótico e sucinto discurso enaltecendo a vitória e invocando o Cesto da Gávea, numa clara alusão à nossa tradição marítima…

jabba-the-guterres

Smart Silva

Anos a fio, a áurea de homem sério foi quanto baste para se manter a salvo de toda e qualquer acusação. Uma vez invocado o autoproclamado estatuto, aqui e ali adornado com uma ou outra alusão subtil (nunca concretizada) a campanhas orquestradas contra si, todas as suspeitas foram esquecidas, relegadas ao eterno esquecimento. Porém, numa época dominada pela tributação dos imóveis, qual fénix renascida, ressurge a polémica da Gaivota Azul. Ao invés da reacção tradicional, desta feita, nada. Nem sim, nem não. Zero, silencio total.

Noutros tempos teríamos já sido brindados com um categórico e sucinto comunicado desmentido tudo, provavelmente reiterando sound bites do passado, conclusivas singelas e curtas, “por vezes” auto-elogios mas sempre, sempre compatíveis com a persona construída, como a celebre tirada sobre seriedade na qual garantiu ser tanta a sua que para qualquer um de nós ir a meças, teria de nascer mais uma vez. Um conceito complexo, mas seja como for, a moral é simples, diz-se sério.

Parece contudo, a fazer fé em noticias vindas a publico recentemente, que nenhum de nós terá de voltar a nascer para com ele ombrear em seriedade. Já não é preciso, basta ser esperto. Mesmo tendo duvidas, o que hoje é verdadeiramente relevante é a esperteza. Sinal dos tempos, talvez apenas uma manifestação do processo de aculturação em curso, influenciada pela maior e mais liberal economia do mundo, mas parece que actualmente pagar menos impostos é sinal de esperteza. Quem não a tem paga, quem tem paga menos. Muito menos.

smart-silva