Arquivos de sites

Programa de Imobilidade Urbana

Sou um dos novos prisioneiros rodoviários de Lisboa, venho aqui reclamar das condições da clausura que me é imposta. Como me encontro nesta condição? Também para mim é um mistério. Como muitos era um honesto cidadão, cumpridor de horário rodoviário fora de ponta, sair de casa às 07h30m para fazer um trajecto de 30km entre a zona oeste e a zona do Saldanha, era coisa para demorar 30 minutos. Fui de férias de Verão, retornando em meados de Setembro, constatando que esses 30 minutos se multiplicaram por 2x ou por 3x, não excepcionalmente, é a nova norma.

Inicialmente dei o benefício da dúvida, são obras de curta duração, só que à medida que as estas são terminadas, sendo comidas uma ou duas faixas de rodagem em vários segmentos da Avenida da República, percebo que o novo constrangimento veio para ficar. Não consigo sequer dormir à noite com pesadelos sobre o agravamento que será imposto pelas intempéries de Inverno.

Outros efeitos colaterais são o embrutecimento e entristecimento das gentes, condutores que deixam de dar passagem, que stressam, praguejam e gesticulam muito mais, passageiros apáticos ao longo das paragens de autocarro, e quebras de produtividade nas empresas com atrasos ‘justificados’ e ânimos quebrados antes sequer de ser iniciada a labuta do dia.

Da câmara chega-nos um discurso do querer criar novos espaços, mais agradáveis à circulação pedonal, do querer diminuir o tráfego para e na cidade, do promover o uso de transportes públicos. Faz sentido, sobretudo se criassem as condições para a transferência das pessoas, dos carros para transportes de qualidade, antes da execução de medidas que quebram totalmente a actual dinâmica de mobilidade urbana. Certamente que não serão transportes públicos com equipamentos ultrapassados, sub-dimensionados e em agonia que teriam capacidade de resposta caso se desse uma rápida transição de condutores para passageiros.

Mais sentido faria uma política agressiva de promoção da habitabilidade. Nos anos 60-70 Lisboa chegou a ter 800 mil habitantes, hoje ronda os 550 mil, com mais de 425 mil pessoas vindas dos subúrbios que se deslocam diariamente para trabalhar ou estudar. O que quer dizer que, se fosse comportável, centenas de milhares de pessoas estariam dispostas a viver em Lisboa, reforçando aquilo que deveria ser, uma cidade lusa. Seria a recuperação de uma vida citadina na sua plenitude social, menos artificial e turística, com muito menos viaturas circulantes. Pelo que talvez a melhor resolução fosse a transferência do alojamento de turistas para os subúrbios, de onde poderiam ser servidos com transportes rápidos e de qualidade numa rede de muito menor dimensão do que aquela que seria necessária para transportar trabalhadores e estudantes.

É nisto que penso ao ficar retido no programa de imobilidade urbana em curso. Que direcção toma esta Lisboa que se formata pensando na exploração do veio turístico ao invés de promover a habitabilidade? Pretenderá perder o título de cidade capital para se tornar um cada vez melhor parque de entretenimento urbano?

programa-de-imobilidade-urbana