Programa de Imobilidade Urbana

Sou um dos novos prisioneiros rodoviários de Lisboa, venho aqui reclamar das condições da clausura que me é imposta. Como me encontro nesta condição? Também para mim é um mistério. Como muitos era um honesto cidadão, cumpridor de horário rodoviário fora de ponta, sair de casa às 07h30m para fazer um trajecto de 30km entre a zona oeste e a zona do Saldanha, era coisa para demorar 30 minutos. Fui de férias de Verão, retornando em meados de Setembro, constatando que esses 30 minutos se multiplicaram por 2x ou por 3x, não excepcionalmente, é a nova norma.

Inicialmente dei o benefício da dúvida, são obras de curta duração, só que à medida que as estas são terminadas, sendo comidas uma ou duas faixas de rodagem em vários segmentos da Avenida da República, percebo que o novo constrangimento veio para ficar. Não consigo sequer dormir à noite com pesadelos sobre o agravamento que será imposto pelas intempéries de Inverno.

Outros efeitos colaterais são o embrutecimento e entristecimento das gentes, condutores que deixam de dar passagem, que stressam, praguejam e gesticulam muito mais, passageiros apáticos ao longo das paragens de autocarro, e quebras de produtividade nas empresas com atrasos ‘justificados’ e ânimos quebrados antes sequer de ser iniciada a labuta do dia.

Da câmara chega-nos um discurso do querer criar novos espaços, mais agradáveis à circulação pedonal, do querer diminuir o tráfego para e na cidade, do promover o uso de transportes públicos. Faz sentido, sobretudo se criassem as condições para a transferência das pessoas, dos carros para transportes de qualidade, antes da execução de medidas que quebram totalmente a actual dinâmica de mobilidade urbana. Certamente que não serão transportes públicos com equipamentos ultrapassados, sub-dimensionados e em agonia que teriam capacidade de resposta caso se desse uma rápida transição de condutores para passageiros.

Mais sentido faria uma política agressiva de promoção da habitabilidade. Nos anos 60-70 Lisboa chegou a ter 800 mil habitantes, hoje ronda os 550 mil, com mais de 425 mil pessoas vindas dos subúrbios que se deslocam diariamente para trabalhar ou estudar. O que quer dizer que, se fosse comportável, centenas de milhares de pessoas estariam dispostas a viver em Lisboa, reforçando aquilo que deveria ser, uma cidade lusa. Seria a recuperação de uma vida citadina na sua plenitude social, menos artificial e turística, com muito menos viaturas circulantes. Pelo que talvez a melhor resolução fosse a transferência do alojamento de turistas para os subúrbios, de onde poderiam ser servidos com transportes rápidos e de qualidade numa rede de muito menor dimensão do que aquela que seria necessária para transportar trabalhadores e estudantes.

É nisto que penso ao ficar retido no programa de imobilidade urbana em curso. Que direcção toma esta Lisboa que se formata pensando na exploração do veio turístico ao invés de promover a habitabilidade? Pretenderá perder o título de cidade capital para se tornar um cada vez melhor parque de entretenimento urbano?

programa-de-imobilidade-urbana

 

Anúncios

About Nuno Faria

Nascido em 1977, vegetariano desde 1997 (por convicção própria), com licenciatura de Sistemas de Informação na Faculdade de Ciências de Lisboa em 1995-1999. Desde 2000 que estou envolvido em projectos de ambiente web, sites, portais e aplicações residentes em Intranets. Em 2003 integrei a equipa da Imoportal.com, hoje absorvida pela Caixatec - Tecnologias de Comunicação SA, onde dei o meu contributo para transformar um site com 30 a 40 mil visitas mensais numa rede de sites que atinge o milhão de visitas mensais. A Internet faz parte da minha vida profissional mas sou também um seu utente. E como tal interessam-me particularmente os mecanismos e dinâmicas capazes de aliciar, convencer e fidelizar visitantes. Preocupo-me em pensar, escrever e criar variados conteúdos que disponibilizo online, como forma de contribuição para o contínuo crescimento da web, não me limitando a ser apenas um seu consumidor.

Posted on Outubro 25, 2016, in Ideias para o País and tagged , , . Bookmark the permalink. 2 comentários.

  1. As obras desta feita são para turista ver, pelo que a manobra eleitoralista não vai resultar! Não trará melhorias ao transito, logo não vai render votos. Antes pelo contrário! Vai contudo gerar uma “necessidade”, cujo potencial de receita é já há muito monitorizado, as portagens para entrar na cidade de Lisboa.

  2. Ha outro ponto… nao e por acaso que se fazem obras doidas… ou se assim fosse, a maquina rosa nao teria construido tanta autoestrada para lado nenhum no tempo do “pobre e coitado socrates que vive da bondade alheia”.
    A logica e sempre a mesma: nos projectos de construcao civil, ha sempre derrapagem, quanto maior, melhor e por onde sangra um milhao, sangram mais dois ou tres, pois entao!

    No fundo ‘e o metodo angolano mas por debaixo da mesa:
    No metodo angolano, o projecto de um milhao ‘e vendido por 4 milhoes porque ha 3 mamoes a ficarem com 25% cada um.
    No projecto tuga ‘e vendido, o projecto de um milhao ‘e vendido em total transparencia por um milhao, e depois derrapa 3 para que os mamoes nao fiquem atras dos angolanos e possam comprar casas em paris, comprar e vender accoes da PT antes e depois das promessas de OPA e retraccoes por goldenShares… ou seja… um metodo sofisticadissimo, quando comparado com o dos angolanos.

    A unica coisa que digo ‘e que quanto mais longe de portugal estou, menos me apetece voltar. A unica coisa que ainda me segura ‘e a familia.

    Em espanha fazem-se vias rapidas gratuitas que envergonham as nossas outoestradas pagas, a passarem no meio e por baixo da cidade, para que o transito possa fluir mais rapido… em portugal, fecham-se as ja de si caricatas vias, e colocam-se limitacoes de velocidade… enfim… tudo o que e estupido e idiota ‘e valido se suportar um qualquer assalto sob pele de cordeiro.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: