Agarra-te ao Pendura!

Não posso deixar de manifestar um grande desencanto pelo lido num artigo de opinião da directora da Visão sobre os “penduras”, que além de completamente ao lado na interpretação dos segmentos de população visados demonstra grandes doses de preconceito e instigação ao ódio que no mínimo serão fortes indicadores sobre o actual critério e agenda editorial daquela publicação.

Continuando a sua metáfora será bom relembrar que os penduras são normalmente os braços direitos dos condutores, debitando informações complementares sobre o caminho, questionando e alertando para comportamentos de risco exercidos pelos mesmos. Curiosamente o lugar do pendura é também conhecido como o lugar do morto, esperemos que a evolução contínua dos sistemas de segurança e aumento da consciência dos condutores venham um dia a eliminar essa associação.

A senhora fala a partir da sua secretária, completamente toldada e hipnotizada pela informação que se tem de limitar a repetir. Já lá vai o tempo em que dispunha de uma frota de jornalistas de investigação capazes de furar as bolhas de confiança e segurança criadas pelos grandes poderes.

O cerco está a ser montado mas não a ser respeitado. Basta andar na rua para o perceber. Muitas violações às recomendações passam incólumes, os tugas desenrascam-se, fica servida a dose mínima do cumprimento para exibição nos noticiários, crê quem o quer.

Entretanto, de forma tremendamente científica, no atingir da imunidade de grupo passamos dos 70% de meta de população imunizada para os 90%, o que implica ter de vacinar adolescentes e crianças. Podíamos realmente estar a fazer muito mais ciência, verificar qual a população imunizada naturalmente, afinal dizem que o número de infectados deve ser muito superior o que quer dizer que o número de imunizados naturalmente também o deve ser. Mas não, preferimos vacinar preventivamente, torrando milhões em testes e vacinas sem recolher dados que de forma cabal permitissem perceber o cenário em Portugal.

A razão apontada pela maior parte daqueles que se vacinam é “não acredito que fossem injectar algo prejudicial, quero é voltar ao normal o mais rápido possível”. Acham ser uma razão suficiente para isso? Eu e muitos dos segmentos vilipendiados pela Srª Directora não acham. E não cedem a condicionamento e pressão. Certamente será um problema, mas esperemos que as decisões tomadas sejam mais racionais e acertadas do que o festival de imposição e fábula de solução a que assistimos.

Basta estar atento a notícias que vão sendo introduzidas no que se chama programação preditiva. Começa-se a falar como mera hipótese e depois aos poucos têm de ser aplicado em larga escala o mais rápido possível. Um exemplo é o dos adolescentes e crianças, seguindo-se já os animais (cães, gatos, zoos, e outros explorados pelo homem).

Confiemos a 100% nas entidades e organismos nacionais e internacionais? Claro. Sabemos que nunca existem interesses nas suas agendas e decisões, que nunca somos danos colaterais… Os “penduras” não o fazem de forma leviana. Porque visitam o histórico de condenações aplicadas a farmacêuticas, tomam conhecimento das estranhas negociações por elas exercidas com os países mais frágeis, percebem que já se preparam para reforço de doses e desenvolvimento de nova variante de vacina, descodificam a argumentação de titulares de cargos políticos de que há que ter cautela com viagens porque os vacinados são mais propensos a contrair e transportar o vírus, estão atentos a movimentação de sindicatos de profissionais de saúde que querem impedir a obrigatoriedade da vacinação a esta classe profissional, tudo para tomar uma decisão em plena consciência, afinal aquilo que é relevante está sempre nos pormenores e não nos grandes títulos e lemas de exaltação à salvação nacional.

Os “penduras” são na sua maioria pessoas comuns, que se dão ao luxo de exercer a sua soberania, sabendo que não estão a colocar em perigo direitos, liberdades e saúde de ninguém. Esse grau de confiança surge por terem acesso aos conteúdos de reputados cientistas que são tirados do ar por ousar apresentar argumentação científica que demole tudo o que se tem feito e se está a fazer. Têm-no porque escavam, percebendo há muito a falsa liberdade de opinião e acesso a informação. Os algoritmos tornaram-se políticos e ferem de morte a nossa sociedade.

Os passageiros no banco de trás não estão nem aí, já nem se apercebem do impacto que uma agenda tem nas paisagens citadinas e naturais por onde passam. Estão conectados em maravilhosas personas, avatares e universos digitais onde são imperadores condutores do seu destino.

Por agora parece ser confortável. Vai-se instalar uma App supimpa que separa os fixes dos idiotas, isso vai fazer muitos idiotas abrir a pestana e ter de se vergar para acesso a produtos e serviços, quiçá um dia mesmo a espaços públicos. Bom bom era poder ter esse controlo na porta do seu prédio e sua casa, pouparia muitas explicações desajeitadas e envergonhadas no barramento dos “penduras” do seu círculo social.

Este é o primeiro grande grilhão de uma nova corrente que está a ser imposta à humanidade. Se houver sucesso na sua implantação muitos mais virão em catadupa, chegando o momento em que ser “pendura” significará morte ou exílio. A distopia futurista está a poucas decisões de distância. Agarrem-se ao “pendura” para influenciar ao máximo a condução ou acreditem que um dia se irão arrepender do destino final por nenhum de nós ousar assumir os comandos.

About Nuno Faria

Nascido em 1977, vegetariano desde 1997 (por convicção própria), com licenciatura de Sistemas de Informação na Faculdade de Ciências de Lisboa em 1995-1999. Desde 2000 que estou envolvido em projectos de ambiente web, sites, portais e aplicações residentes em Intranets. Em 2003 integrei a equipa da Imoportal.com, hoje absorvida pela Caixatec - Tecnologias de Comunicação SA, onde dei o meu contributo para transformar um site com 30 a 40 mil visitas mensais numa rede de sites que atinge o milhão de visitas mensais. A Internet faz parte da minha vida profissional mas sou também um seu utente. E como tal interessam-me particularmente os mecanismos e dinâmicas capazes de aliciar, convencer e fidelizar visitantes. Preocupo-me em pensar, escrever e criar variados conteúdos que disponibilizo online, como forma de contribuição para o contínuo crescimento da web, não me limitando a ser apenas um seu consumidor.

Posted on Julho 13, 2021, in Deriva and tagged , , , . Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: