A falácia do empreendedorismo

Nesta segunda década do Século XXI, Portugal ficou cheio de empreendedores. O empreendedorismo entra-nos pelos olhos, ouvidos e outros sentidos a dentro, como se disso dependesse o nosso futuro. O problema, é que visto com uma lupa maior, rapidamente se percebe que o empreendedorismo não é mais que uma moda, uma buzzword que fica bem.
Na sua grande maioria o nosso empreendedorismo não é mais do que aquilo que Portugal teve sempre acima da média. O Auto-Emprego. A maior diferença para um fenómeno sempre tão popular em Portugal está nas condições e motivações dos empreendedores, que passaram de “querer ser patrão de si mesmo” para “não há emprego na minha área de formação”. Portanto, na sua maioria o nosso empreendedorismo é auto-emprego mas com um objectivo de sobrevivência.

Há obviamente diferenças de um Portugal dos anos 80 e primeira metade dos 90s em que vivíamos num país menos formado e essencialmente intermediário. A grande maioria dos negócios próprios era baseados quase exclusivamente na compra e venda de bens, sem qualquer criação de valor. Muita gente prosperou, alguns tiveram a inteligência de perceber que não era isso que lhes iria garantir o crescimento. De resto quase tudo era alicerçado num negócio que criando património não trás qualquer valor acrescentado ao país. O negócio da construção civil.
Hoje em dia é diferente. A construção atingiu um ponto de saturação e a nossa economia, especialmente por responsabilidade dos governos de Cavaco Silva, esqueceu a noção de criação e achou que o futuro eram os serviços. E é aí que essencialmente estamos encravados.

E é por isso que o Empreendedorismo à portuguesa é falacioso, porque é na sua grande maioria baseado em serviços, ou em bens não essenciais. Estão melhor encaixotados, em Marcas mais bonitas, com embalagens mais bonitas mas são actividades na sua grande maioria que não só não contribuem para a nossa independência económica enquanto país, como agravam essa falta de independência, pois são na sua essência negócios que dependem de uma dinâmica de mercado interno, que não temos, para prosperar.

 

Sim, porque empreendedor não é a milésima loja de roupa de crianças, ou a amiga que faz os melhores cupcakes de sempre, ou o cake designer que faz bolos lindos. Muito menos empreendedor é o gajo que vive de vender palestras sobre empreendedorismo ou o gajo que tem uma consultora informática, que na sua maioria nada mais são que um mercado de carne humana, criado para contornar as leis laborais.
O empreendedorismo deve ter um foco de criação, de trazer algo novo, ou de pegar em algo tradicional e essencial e reposicioná-lo no mercado global.

O empreendedor é aquele que sonha com o mundo e que faz a pensar no mundo, não a pensar no nosso pequeno mercado interno.

Em portugal, há dois bons exemplos enquanto grupos de empreendedores. A industria têxtil e a agricultura, na área dos vinhos e azeites.

São grupos que estão, para usar um chavão, a agir local e a pensar global.

E os outros?

 

Os outros, e este é o maior problema na minha opinião, estão a ser atirados para negócios sem futuro, que em nada contribuem para a saúde económica do país e que na sua maioria, sem se aperceberem, estão a fazê-lo por razões muitíssimo pouco nobres, ou de desejo individual.

O que está a acontecer e que para mim é o mais preocupante, é que este “Empreendedorismo”, que nos está a ser vendido de forma massiva como a solução para o nosso país, não é mais do que mais um forma de encapotar uma das maiores desvalorizações que assistimos na nossa sociedade. A dignidade dos trabalhadores.

Este é o empreendedorismo dos eternos estagiários, das pessoas que a única coisa que encontram é um ordenado miserável, em sítios com condições de trabalho miseráveis, sem qualquer perspectiva de futuro.

São estes os “empreendedores”. São aqueles que não têm outra solução, que querem poder ter uma casa, ou umas férias como qualquer pessoa com um mínimo de dignidade.

Sendo também que estes “empreendedores” que são óptimos para o estado, porque ao serem “empreendedores” deixam de ser desemprego, contribuições sociais, etc, para passarem a ser IRC/IVA, etc.

 

Acima de tudo precisamos de empreendedores a sério. Muito menos que os que achamos que temos, mas precisamos.

Até porque só esses conseguirão gerar o emprego digno que os outros, podem e devem ter.

 

 

P.S.: Há alguns meses o Nuno Faria convidou-me para me juntar a este blog. Só agora o faço, não porque o projecto não me tenha interessado, mas apenas e só porque sinto que tenho pouco a dizer. Mas aqui fica o meu olá a todos.

Advertisements

Posted on Agosto 8, 2014, in Geração "à rasca", Ideias para o País, Mentalidade Tuga. Bookmark the permalink. 3 comentários.

  1. Gonçalo Moura da Silva

    Benvindo a bordo! 😉

  2. Gonçalo Moura da Silva

    Reblogged this on Azipod.

  3. Eu concordo inteiramente! O Empreendedorismo interessa ao Estado e às empresas, para além de estar em sintonia com o modelo do individualismo e da falácia americana do “self made man”. Isto está muito presente no actual executivo: Como se o empreendedorismo nascesse do ar, de uma ideia sem mais ser preciso. Isto tem sido muito alimentado pelas actuais escolas de gestão, que têm responsabilidade na implementação desta ideia. E interessa aos grupos económicos porque é uma forma de exploração encapotada, podendo-lhes trazer mão-de-obra sem vínculo laboral. E isto é auto emprego. Mas a verdade é que para ser empreendedor e criar riqueza é preciso uma coisa que em Portugal há pouco, dinheiro e disponibilidade para investir. A quem eles exigem ser empreendedores até podem ter ideias mas não têm dinheiro. Quem tem algum dinheiro para investir e tem empresas, descapitalizou-as. E assim se faz Portugal…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: