Arquivos de sites

Tribalismo viral

Tenho dado conta de que com o passar dos dias o confinamento tem resultado em cada vez maior refinamento ideológico.

Depois das eleições assistimos nas redes sociais à abertura da caça ao facho, em que vários foram os convites públicos de desamigamento Facebookiano voluntário, endereçado a quem tenha ousado votar no Chega, culminando num pedido formal de ilegalização de um partido “com ideias perigosas”, por parte de uma candidata vencida que o tinha prometido caso fosse eleita.

Patriotas, activistas, defensores da liberdade lusa, não hesitam em censurar e oprimir uma força política diametralmente oposta. #$%&%! Não fosse o confinamento era certinha uma guerra civil para limpeza ideológica!

Que tristeza considerar que o perigo está na expressão de certas ideias. Que desconsideração pela liberdade em ser bronco. Ser bronco não é fácil nos dias de hoje, deu muito trabalho passar por um sistema de educação, conseguir a inserção num mercado de trabalho, integrar a adoção de um modelo de sociedade onde a realização pessoal assenta no consumismo, voyeurismo e narcisismo egocêntrico. Foram anos de participação num projecto político e económico, construído por forças ideológicas benevolentes, resultante num grande número de mártires sociais amparados por suporte de vida em contínuo. Como poderá esta fórmula de sucesso ter resultado num terreno fértil para implantação de um egóico, divisionário, discurso de ódio?

E se a sociedade portuguesa decidir usar a democracia para valorizar forças normalmente associadas à sua destruição? Não será mais vantajoso à sociedade saber com o que conta? Dar expressão parlamentar ao que é o sentimento de parte significativa dos eleitores? Não seria mais perigosa a insurgência inesperada de força clandestina crescente por impedimento preventivo da sua representatividade política? Não seria anti-democrático, ou pior, uma maquilhagem da sociedade real, aplicar limitações aos possíveis resultados nefastos de uma plena democracia?

Renegar os que desesperaram é atitude fraternal? Desrespeitar os resultados eleitorais não é coisa de facho? Findar o diálogo por pura cegueira ideológica não é coisa de bronco? Temer ideologias é demonstrar fraqueza, uma descrença absoluta nos valores e ideais opostos, como se não houvessem argumentos cabais capazes de desconstruir populimos oportunistas.

O distanciamento social está a quebrar a sociedade. Da deriva num oceano de gente, em constante troca de ideias e experiências, fomos amedrontados, acossados, reduzindo a navegação aos que nos são mais próximos, alguns chegando mesmo ao pleno isolamento em naufrágio individual. Por força das circunstâncias a nossa tribo foi reduzida, com isso prejudicando a nossa tolerância, sabedoria e ponderação. A abertura de horizontes tem sido tentada no mundo online, aumentando os que são reféns de algoritmos ilusórios, criadores da ideia de que o “meu” sentimento é o sentimento de uma maioria pujante, dando força e alento para rugir, censurar, obliterar de forma ameaçadora sem ter noção da fragilidade dos seus alicerces.

Sei que pareço um ladrão facho…

Mas há muitos que eu conheço

Que não parecendo o que são,

São aquilo que eu pareço

Adaptação do original de António Aleixo (sem facho e sem rasura)