Cultivar, para que alguns vivam.

RasgandoNum período em que ordenaram que se rasgassem muitas coisas, como direitos adquiridos, mas só de e para alguns, rasgaram-se horários de trabalho e terços de folhas de vencimento, rasgaram-se já alguns feriados do calendário e mais rasgões virão, por ventura só depois de passada a celebração da Ressurreição.

Porventura aproveitando a deixa, um autarca disse aos seus munícipes para rasgarem as cartas enviadas pelos serviços da Câmara que preside, alegando que existem questões legais, que tem de ser cumpridas, elaborando por exemplo missivas para inquietar os cidadãos, provocando-lhes insónias e desassossegos, mas que são apenas formalidades.

Considerados por muitos como meros actos de populismo, ou já como preparação de futuras batalhas eleitorais, atitudes como esta devem merecer elogios, também eles rasgados, pois inquestionavelmente são demonstrações de quem manda, pelo menos aparentemente.

Estaremos portanto no direito de questionar, para quando, uma intervenção em que a mais alta patente do Estado tenha a coragem de proferir:

-Enquanto for eu o presidente (olhe nos meus olhos), ninguém pagará coisas que não lhe são devidas, pois prefiro ir preso, que permitir que usurpem os meus concidadãos.

Rasgaram-se ordens de trabalho no carnaval, não seguindo as directrizes da hierarquia, quiçá tentando generalizar a todo o território o dito antigo “para lá do Marão, mandam os que lá estão”, talvez por isso permanece em estudo o recorte do próprio mapa de Municípios, este mais cirúrgico, acautelando prováveis mudanças de cor do País nas próximas decisões, que por hora ainda nos dizem serem nossas, por direito.

Num dos casos jurídicos mais mediáticos dos últimos anos, assistimos também ao rasgar de decisões, reencaminhando para novo calvário alguns dos intervenientes, em prol de uma justiça cega, que todos pagam, ao mesmo tempo que ilustre figura da Nação ousou referir-se ao nojo (período de), querendo quem sabe, incitar a um urgente corte com o passado, ou mesmo transpirando o nojo que o próprio terá da justiça, vendo inocentes a braços com ela, enquanto que outros, mais ladinos, engrandecem com métodos pouco ortodoxos aparentemente difíceis de descortinar, em processos que podem demorar mais de um decénio, custando a todos avultadas quantias.

Andam multidões com vontade de rasgar facturas de água e luz, pelo menos a parte delas referente a débitos periféricos ao próprio consumo, ou mesmo o percentual das portagens que irão repagar, quando se fizerem as contas de compensação por baixo tráfego, mas o método está criado faz tempo, já dizia François Marie Arouet, “Encontrou-se, em boa política, o segredo de fazer morrer de fome aqueles que, cultivando a terra, fazem viver os outros.”Cultivando para alguns

Aparentemente manter-se-ão os desmandos dos que se dizem mandatados, até esses rasgaram os guiões das campanhas, vindo agora a terreiro justificar-se em erros de pressupostos.

Constata-se mais uma vez o infausto acontecimento, já mais que provado pela história política,

“ Os políticos nada aprendem com a história”.

Anúncios

Posted on Março 1, 2012, in Teorias da Conspiração and tagged , , . Bookmark the permalink. 1 Comentário.

  1. Muito bom! Discordo da citação final.

    Quem não aprende com a história somos nós, os eleitores/contribuintes:

    https://aoleme.wordpress.com/2011/10/19/dictadura-democratica/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: